Traductor

terça-feira, 27 de junho de 2017

Costela mindinha no forno

Não é a forma mais acertada para fazer este corte de carne, mas costuma-se dizer que quem não tem cão caça com gato. A costela mindinha e um corte de carne tirado de uma peça inteira de costela de boi ou vitelo, na qual tiramos a parte alta e as pontas dos ossos, ou seja, ficamos com a parte central da costela que um corte excelente para grelhar na brasa.

O termo costela mindinha mais usado no Brasil, onde ela é feita na churrasqueira a uns 60 centímetros das brasas com os ossos virados para baixo entre 4 a 5 horas apenas temperada com sal. Na parte final, quando os ossos começam a sair da carne, vira-se com os ossos para cima para que toste um pouco a carne. Este processo lento de grelhar deixa a carne suculenta por dentro e crocante por fora, uma coisa que todos adoramos num bom churrasco. Visto eu viver num apartamento e não ter uma churrasqueira, resolvi faze-la no forno na qual com alguns truques ficou com uma aparência equivalente da feita na churrasqueira.



Ingredientes

Uma costela mindinha (parte central da costela)


Sal grosso marinho



1 colher (das de café) de alecrim seco

2 colheres (das de sopa) de fumaça liquida

Papel alumínio

1 copo de água



Preparação

E fundamental ter um tabuleiro com grelha incorporada para que a carne não toque o liquido. Esfregue bem a costela com o sal dos dois lados e deixe repousar uns 15 minutos em lugar quente para que o sal entre bem na carne. Num tabuleiro com grelha coloque a água e a fumaça liquida, limpe a carne do excesso de sal e sobreponha em cima da grelha com os ossos para baixo sem que toque a água, espalhe por cima o alecrim e cubra com papel alumínio de maneira que não toque a carne. Leve ao forno preaquecido a 220ºC e rebaixe a 160ºC apenas com calor pela parte de baixo, deixe assar umas 3 horas. Retire o papel alumínio e passe para a posição grill com calor só por cima uns 10 minutos ou até ficar tostado, retire do forno e deixe repousar uns 15 minutos para facilitar o corte. Corte entre os ossos e sirva com saladas ou com um toque mais brasileiro, uma boa farofa.



Bom Apetite

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Canjica

A canjica é um doce da cozinha tradicional brasileira, um doce que já faz parte dos costumes da história do Brasil. O seu consumo é principalmente durante as festas joaninas assim como no dia de São João, uma celebração de origem europeia relacionadas com a festa do solstício de verão que antigamente era comemorado no dia 24 de junho, levado para o Brasil pelos portugueses.
Esta tradição juntou-se aos costumes afro-brasileiros e indígenas na qual a cozinha toma o lugar central nas celebrações, com doces, como canjica. É na região nordeste brasileira que é mais usual, uma forma para agradecer ao São João pelas chuvas que alimentam culturas fazendo-as ficar mais vistosas como o milho, um ingrediente chave desta sobremesa. Visto estarmos em pleno mês de junho é altura certa para preparar este doce para a noite de São João. A verdadeira canjica era feita com milho verde na qual era triturado e cozido em leite com açúcar até ficar cremoso, costume que ainda sé mantem no nordeste brasileiro. Hoje em dia já temos o milho seco e em receitas mais modernas usasse leite condensado para adoçar e dar cremosidade. Em vez da canela moída por cima que é o tradicional já sé decora com amêndoas ou amendoim tostado moído. Esta receita é da minha mãe, adaptada de uma que ela tinha tradicional nordestina na qual uso o milho branco que sé pode comprar em qualquer supermercado.

Ingredientes
250 gramas de canjica de milho branco

400 ml de leite meio gordo
200 ml de leite de coco ou 

100 gramas de coco ralado
2 latas de leite condensado
2 cravinhos da índia
1 pau de canela
1 pitada de sal
Canela moída quanto baste


Preparação
Deixar o milho demolho em bastante água durante 24 horas.
Cozinhe a canjica numa panela de pressão aproximadamente uns 30 minutos tendo o cuidado de por 1 medida de milho para 3 de água ( Sé cozer em panela normal terá que duplicar o tempo). Desligue o lume e espere sair a pressão da panela, abra e experimente a textura, se o grão ainda estiver duro, tampe a panela, volte ao fogo e cozinhe por mais alguns minutos. Quando estiver pronto, escorra todo o excesso da água do cozimento. Coloque o milho cozido para uma tacho e adicione o leite, o leite de coco (ou coco ralado), o leite condensado, a pitada de sal, o pau canela e os cravinhos, cozinhe em fogo médio/baixo até obter uma calda cremosa. Retire o pau de canela e os cravinhos, devida em taças individuais ou verta para uma travessa funda, polvilhe a canela em pó por Cima e sirva.


Bom Apetite

domingo, 11 de junho de 2017

Salada de bacalhau com grão de bico

Voltando a falar de restos, aqui fica mais uma sugestão. Desta com uma posta de bacalhau, uma batata e uma cenoura, o resto de um bacalhau cozido com legumes. A estes ingredientes juntei grão de bico e assim fiquei com uma boa salada fria para comer.
O grão-de-bico, considerado um excelente alimento com importantes qualidades culinárias e nutritivas, rico em proteínas, sais minerais e vitaminas. Além disso, devido à grande quantidade de celulose contida na casca, o grão-de-bico estimula o bom funcionamento dos intestinos. É pobre em água e gorduras, e está isento de colesterol, com uma grande quantidade de amido que é uma grande fonte de energia para o nosso organismo. Um alimento relativamente barato de grande benefício numa dieta bem equilibrada.

Ingredientes
Restos de bacalhau cozido

1 cenoura cozida
1 batata cozida
1 ovo cozido
200 gramas de grão de bico cozido
1 cebola media picada
1 ramo de salsa picada
Azeitonas pretas galegas quanto baste
Azeite
Sal e pimenta a gosto

Preparação
Normalmente há sempre sobras de um bacalhau cozido com legumes, que na qual no dia seguinte pode virar uma boa salada fria. Caso não tenha as ditas sobras coza uma posta de bacalhau demolhado com uma batata e uma cenoura e deixe arrefecer. Parta o bacalhau em lascas retirando as espinhas e a pele, corte as batatas e a cenoura em cubos e misture tudo com o grão de bico (pode usar grão de frasco ou demolhar grão seco e cozer de véspera), espalhe a salsa picada e enfeite com o avo partido e as azeitonas. Tempere com sal e pimenta a gosto regado com um bom azeite e sirva.



Bom Apetite

sábado, 10 de junho de 2017

Salada de morcela com ovos de codorniz

Os dias começam a aquecer é brevemente teremos o Verão a porta e com isso chega a vontade de comer coisas leves, mais ligeiras. Nessa altura nada melhor que as saladas, mas visto ainda não ser Verão e apesar de o sol dar um ar de sua graça, aqui fica uma salada com algum reconforto pensando já nos dias quentes que vem por ai.

Ingredientes
1 morcela ibérica ou de porco preto

12 ovos de codorniz
200 gramas de salada variada
Azeite quanto baste
Sal marinho fino quanto baste

Pimenta a gosto
3 colheres (das de sopa) de óleo de amendoim
1 colher (das de café) de vinagre de vinho branco
1 colher (das de café) de mostarda ancienne (mostarda a moda antiga)

Preparação
Cozer os ovos de codorniz de 3 a 5 minutos, passar por água fria e descascar, reserve. Cortar a morcela e rodelas grossas e numa sertã com um pouco de azeite quente fritar as rodelas de morcela entre 2 a 3 minutos de cada lado, reserve. Entretanto prepare uma vinagreta, coloque 4 colheres (das de sopa) de azeite numa malga com o óleo de amendoim, a mostarda, o vinagre, uma pitada de pimenta e sal. Bata energeticamente com um garfo, reserve. Divida a salada em 4 pratos, as rodelas de morcela e os ovos, alinhe com a vinagreta preparada e sirva.



Bom Apetite

domingo, 4 de junho de 2017

Potage de lentilhas

A palavra Potage do francês, vem de Pottus latino traduzido para pote, um recipiente ou algo assim ou mais especificamente Potaculum que é o alimento que está bêbado dentro de um recipiente, sendo uma das características como de um caldo. Potage em castelhano esta referenciado como uma sopa ou ensopado com caldo mais espesso de vários legumes e carnes servido na panela, voltando ao tempo das sopas mais clássicas.Sendo sopa ou guisado existe muitos métodos de preparação com estrugidos (Potage de garbanzos) ou preparado com tudo em frio.  Espalhado por todos os países latinos com vários tipos de ingredientes, mas com mesmo critério, cozido em bastante água e aplicando o “de” para denominar o nome da potage.

Ingredientes
300 gramas de lentilhas
100 gramas de presunto (ou entremeada fumada)

I chouriça vermelha (de colorau)
1 morcela de carne (moira)
½ pimento verde
½ pimento vermelho 

1 tomate maduro
1 cenoura grande
1 batata grande
1 cebola media
4 dentes de alhos
3 cravos da índia
1 ramo de salsa
1 colher (das de chá) de colorau
Azeite quanto baste
Sal

Preparação
Coloque as lentilhas numa panela cobertas de água, leve ao lume para cozer uns 3 minutos depois de levantar fervura. Retire do lume e passe as lentilhas por água fria, lavando-as e retirando todas as impurezas. Na mesma panela cubra o fundo com azeite e coloque as lentilhas, a chouriça, a morcela, o presunto, a cebola inteira descascada com os 3 cravos espetados, os alhos descascados e pisados, o tomate pisado, os pimentos, o ramo de salsa e o colorau. Cubra com bastante água e deixe levantar fervura em lume forte, verifique (por causa do presunto) o sal e tempere a gosto, baixe o lume e deixe cozer até as lentilhas estarem bem macias. Retire os pimentos e a cebola e sirva com os enchidos e o presunto partidos.



Bom Apetite

sábado, 3 de junho de 2017

Barriga de porco com crosta crocante

Quem não gosta de um assado no forno com uma crosta bem crocante e suculento por dentro! Principalmente na pele da barriga de porco, aquele toque estaladiço e crocante, ah que maravilha!
O segredo para deixar a pele da barriga de porco crocante é bem simples, basta a pele estar bem seca e fazer uns cortes em losangos e logo assa-la muito lentamente para que fique bem suculenta por dentro. E para que fique mais saborosa vamos prepara-la com uns ingredientes tipo, funcho (cabeça de erva doce), estrela de anis da china e cardamomo que vai potenciar o sabor.
O funcho popularmente chamado de erva-doce é uma hortaliça Herbácea fortemente aromática comestível utilizada em culinária para caldos sopas alinhamento de molhos e aromatizante, cultivada em todo o mundo sendo mais nativa da Europa meridional.
A estrela de anis da china com uma textura parecido com a madeira e considerada uma especiaria com um sabor doce e forte, utilizado tanto em culinária como em medicina e uma das 5 misturas de especiarias chinesas (estrela, semente de funcho, canela, cravo e pimenta Sichuan) utilizado na cultura chinesa para equilíbrio e manter a saúde entre os cinco sabores (amargo, doce, salgado, ácido e picante). Muito utilizado também em doçaria como aromatizante.
O cardamomo da família do gengibre com origem na índia , muito usado para potenciar sabores tanto de pratos salgados como doces e bebidas, excelente em marinadas com carne. Em alguns países do oriente médio tostam-se e moem-se juntamente com o café. Os indianos mastigam-no para limpar os dentes e melhorar o hálito.

Ingredientes

2 kg de barriga de porco


1 funcho

1 estrela de anis

3 dentes de alho

4 sementes de cardamomo

1 folha de louro

1 copo de vinho branco

1 colher (das de sopa) de mostarda tipo antiga

Caldo de carne quanto baste

Azeite

Sal marinho grosso

Pimenta a gosto




Preparação
Nota
Sé poder fazer a 1ª etapa no próprio tabuleiro que vai ao forno melhor, sé não poder faça numa sertã e de pois transfira para um tabuleiro quente ates de ir ao forno.

Secar bem a pele da barriga com papel de cozinha e fazer uns cortes em losangos, esfregar a pele com um pouco de sal grosso e temperar com pimenta, reserve.
Em cima do fogão em lume médio num tabuleiro com azeite quente coloque o funcho laminado, os dentes de alho esmagados, a estrela de anis, os cardamomos esmagados e a folha de louro, assim que começar a amolecer o funcho coloque a carne com a pele para baixo e esfregue bem para absorver todos os sabores, deixe uns 5 minutos. Vire a carne com a pele para cima e acrescente o vinho, deixe ferver até evaporar o álcool, junta-lhe o caldo até encher o tabuleiro deixando a pele de fora, verifique o tempero de sal. Leve ao forno preaquecido a 220ºC uns 10 minutos para que a pele comece a estalar, logo rebaixe parra 160ºC só com calor por baixo durante aproximadamente 1 hora e meia. Retire do lume e deixe repousar uns 10 minutos para poder trinchar a carne. Retira o excesso de gordura do caldo e coe, adicione a mostarda e leve-o a ferver um pouco e sirva por cima da carne. Pode acompanhar com purê de batatas ou ervilhas cozidas ao vapor.



Bom Apetite