Traductor

sábado, 28 de agosto de 2010

Patanisca de Bacalhau á Tia Bela


Bem meus caros amigos, peço desculpa por esta pausa ( já me ligaram a perguntar se não havia mais receitas) no blog, mas e que tive o prazer de ser visitado pelos meus cunhados " Bela e Neu", que vieram passar uns dias a Andorra, e pouco tempo tive para ir ao blog, mas na cozinha tive que ir, no domingo passado até fiz Paella ( Aqui ). Também aprendi a fazer umas boas Pataniscas de Bacalhau, que são muito típicas da culinária Portuguesa, mais propriamente da região da Estremadura. Para esta receita usamos migas de bacalhau salgadas ( resto de febras de bacalhau que são tirado quando estão a escalar o bacalhau ), mas também podem usar uma boa posta de bacalhau. No Porto chamam-lhe Iscas de bacalhau, na qual a preparação é muito idêntica, diferenciando apenas na maneira de preparar o "Polme" (polme é uma preparação culinária utilizada na fritura de determinados alimentos. É uma massa de consistência mole, com a qual se envolvem os alimentos antes de os fritar). Para acompanhar fiz um bom arrozinho de cenoura.

Ingredientes
1 ou 2 postas de bacalhau demolhado ( ou migas )
3 ovos
1 chavena ( das de chá ) de farinha de trigo
1 cebola grande
1 ramo de salsa
leite
pimenta
azeite
óleo ( para fritar)

Preparação
Prepare um "polme" da seguinte maneira, numa tigela ponha a salsa e a cebola bem picada, junta-lhe os ovos, a farinha, um pouco de leite, uma golpada de azeite e tempera-se com pimenta e sal. Mexe-se bem até ficar homogênea, mas de aspecto consistente ( se necessário junte um pouco de água ). De seguida escalde o bacalhau em água a ferver e limpe as peles e as espinhas e parta e lascas, misture com o polme e frite colheradas do preparado em óleo bem quente, ponha a escorrer em papel absorvente.

Acompanhamento
Para acompanhar pode ser com feijão frade cozido, arroz-de-feijão ou simplesmente de pétisco, neste caso resolvi acompanhar com um arroz-de-cenoura.
Preparação: do arroz
Na altura de estrugir a cebola e o alho basta acrescentar 1 ou 2 cenouras raladas e seguir o processo habitual de fazer o arroz. ( Aqui )

Bom Apetite

Polvo frito com Arroz de polvo



Vamos para região de Trás–os-Montes de Portugal. Ai por essas zonas usasse muito o polvo frito, não sei bem como esta receita veio parar as minhas mãos, o certo e que a tenho e resolvi. fazê-la, com as pontas e o resto do corpo resolvi fazer um arrozinho, que por ai também é muito popular. Convém saber que o Polvo depois de bem lavado, para se lhe tirar a areia e a gosma deve-se bater bem numa pedra ( que pode ser a banca da cozinha), até largar a gosma, pode inclusive bater com um maço ou rolo de cozinha. Em seguida esfrega-se bem com sal e limão, lave novamente em água fresca. Tempera-se com sal e limão e este pronto para o fim que destinar.
Ingredientes: Polvo frito
1 polvo de 1,5 kg( + o u - )
2 dentes de alho
1 folha de louro
1 ramo de salsa
1 copo grande de vinho branco
farinha de trigo
farinha de pão ( pão ralado )
3 ovos
azeite para fritar

Preparação
Coza o polvo até ficar macio. Corte-o depois aos pedaços os tentáculos ( o corpo e as pontas reserve para o arroz ) tanto quanto possível do mesmo tamanho. Ponha num recipiente fundo e tempere com sal, alhos esborrachados, louro cortado sem o veio interior, salsa cortada e vinho branco. Tape o recipiente e deixe marinar por 4 ou 5 horas. Escorra bem os pedaços de polvo, passe por farinha, depois por ovos batidos e finalmente por pão ralado. Frite em bastante azeite. Escorra o excesso de gordura sobre folhas de papel absorvente.

Ingredientes: Arroz de polvo
Resto do polvo ( se quiser fazer só o arroz use um polvo médio )
500 gramas de arroz
2 dentes de alho
1 folha de louro
1 cebola grande
Azeite
Pimenta
Sal

Preparação
Numa panela de ir ao forno com um pouco de azeite, faz-se um refogado com a cebola, os alhos picados e folha de louro sem veio, logo que esteja bem loiro acrescenta-se-lhe um litro de água para obter uma boa calda. Retira-se o louro e deita-se-lhe o polvo já cortado aos pedaços pequenos, deixe levantar fervura e deita-se o arroz, tempera-se de sal e pimenta e deixe a ferver durante 10 minutos, tapa-se e põe-se no forno (180 graus ) até acabar de cozer.

Acompanhamento
Querendo pode ainda fazer uns grelos salteados ( Receita 14/04/2010 )para acompanhar.


Bom Apetite

Sardinhas Salgadas


Esta receita em tempos era muito popular na minha terra "Gafanha do Carmo"
Quem não gosta de sardinhas? Assadas, cozidas, fritas ou de conserva, creio que quase toda a gente gosta. Hoje em dia a sardinha é quase um alimento de luxo, pelo alto preço a que é vendida. Então em época das festas populares, nomeadamente pelo S. João, o preço é deveras exorbitante. Noutras épocas, a sardinha era o bife dos pobres, principalmente do povo das aldeias, dos lavradores. Duas batatas cozidas, uma sardinha cozida, era um prato muito generalizado, mas mesmo assim com algum requinte, pois mesmo a um preço acessível, nessa altura (anos 60 e 70), a sua compra não estava ao alcance da maioria das pessoas. Lembro-me perfeitamente de um episodio com minha avó “ Ti Bernada “, tínhamos chegado do Brasil a Gafanha a poucos dias e fomos comer a casa dela, eram sardinhas cozidas com batatas, fiz cara feia, ai ela disse: “que em tempos uma sardinha era dividida por dois ou três”. Antigamente as sardinhas eram salgadas sem guelras e tripas durante varias semanas, principalmente no inverno, pois nessa altura do ano era muito difícil a venda da sardinha, devido ao estado do mar, mas também por não ser tão gostosa. A este respeito, os mais antigos dizem que a sardinha é boa nos meses sem R (portanto Maio, Junho, Julho e Agosto). Depois perde qualidades. Nesta, como noutras coisas, é certa a sabedoria popular. Hoje em dia a sardinha é consumida habitualmente fresca, muito raramente é congelada. Já ninguém salga sardinhas e mesmo que o fizessem as mesmas ficariam intragáveis e rançosas. No entanto, nessa altura as sardinhas conservavam-se com boa qualidade e sempre deliciosas, mesmo depois de salgadas por várias semanas. Para além do mais, não havia outra alternativa à sua conservação, pois arcas congeladoras era equipamento que ninguém tinha.

Ingredientes
sardinhas, que baste
sal grosso, que baste
babatas novas, que baste
2 cebolas
azeite
salsa

Preparação
Claro que não vamos deixar as sardinhas no sal durante semanas como fazia os mais antigos. Depois das sardinhas limpas das tripas e das guelras, deixe em bastante sal de um dia para outro. No dia lave e corte as rodelas as batatas com a pele, disponha no fundo de um tacho com água ( ponha água só a cobrir as batatas ), por cima as cebolas também as rodelas e por fim panha as sardinhas lavadas do sal com o ramo de salsa e uma golpada de azeite. Leve ao lume a ferver durante uns 20 minutos, sirva de seguida.


Bom Apetite

domingo, 15 de agosto de 2010

Favas com carne de porco frita


Aqui esta mais um prato feito por Todo Portugal, consoante a zona vai variando de região em região, sendo assim esta receita e muito popular na minha zona (Gafanha). Sei que é um comer muito rico e não se podem comer todos os dias, mas de vez em quando a que pecar. Este prato normalmente se faz na altura das batatas novas e das favas, bem vamos deixar de conversa e vamos La ao pecado.

Ingredientes
1 kg de favas ( descascadas )
500 gramas de batatas medias ( de preferência novas )
400 gramas de carne magra de porco
400 gramas de entremeada de porco
1 bom chouriço
2 colheres ( das de sopa ) de banha de porco
Ramos de alhos verdes
Sal

Preparação
Comece descascar as batatas ( se forem novas raspe com a faca, pois ficam melhores ) de seguida ponha as batatas e as favas numa panela com água e sal a ferver. Entretanto saltei as carnes com sal ( já cortada aos pedaços pequenos ). Ponha ao lume uma pela com a banha e comece por fritar a entremeada até ficarem bem douradinha, de seguida acrescente a carne magra e por fim o chouriço as rodelas, de uma boa fritada a tudo, dois ou três minutos antes de tirar pique por cima os ramos de alho, reserve. Entretanto escorra as batatas e as favas, coloque numa travessa e verta por cima a fritada.

Bom Apetite

sábado, 7 de agosto de 2010

Francesinha à moda do Porto


Este mês vou por no blog receitas Portuguesas, e nada melhor do que começar com uma Francesinha á moda do porto ( video ). As francesinhas nasceram no Porto pela mão de David Silva, regressado de França nos anos sessenta montou o restaurante “A Regaleira“ no centro do Porto. Este emigrante na frança partir do croque-monsieur (especialidade típica nos cafés franceses), inventou esta fantástica iguaria.Teve a ideia de ajustar certos ingredientes ao paladar e à cultura gastronômica das gentes do Porto, produzindo o “talmolho, que é a alma deste petisco. Efetivamente, o principal segredo da Francesinha, está na confecção do molho. A quantitativa das diversas bebidas, que compõem o molho afeta a maior ou menor “acidez ou doçura” do mesmo, bem como o paladar final. No Porto a vários restaurantes que servem esta iguaria e o segredo dos molhos variam de restaurante para restaurante, esta receita foi passada a mim a muito tempo por um conhecido meu do Porto.

Ingredientes:individual
2 Fatias de pão de forma;
3 Fatias de fiambre;
8 Fatias de queijo;
1 Linguiça;
2 Fatias de paio;
1 Bife 150g a 200g.

Preparação da francesinha: da base para o topo
fatia de pão de forma
fiambre
queijo
paio
bife
fiambre
queijo
paio
linguiça aberta
fatia de pão de forma
Cobrir com o resto do queijo. Depois de colocado o queijo, levar ao forno para que este derreta e gratine!
Nota: grelhar a linguiça e o bife

Ingredientes: molho (4 pessoas)
4 dentes de alho;
1 cebola
2 folhas de louro
4 fatias de presunto
1 cerveja;
1 cálice de Brandy, ou Whisky
1 cálice de vinho do Porto;
1 copo de vinho branco
1 ramo de salsa
1 frasco 200 ml polpa de tomate
azeite
sal
Piri-piri
farinha ”Maizena” para engrossar

Preparação
Colocar num tacho o azeite, os alhos picados, a cebola picada, o presunto as tirinhas, as folhas de louro, sal e salsa, deixar refogar, acrescentando um pouco de água mexendo de vez em quando, quando começar a alourar, adicionar a cerveja, a polpa de tomate, o piri-piri, as bebidas espirituosas, deixar ferver aproximadamente 10 minutos, mexendo de vez em quando, retirar as folha de louro e triturar tudo muito bem com a varinha mágica de forma a apurar, deixar ferver 10 minutos, mexendo continuamente, engrossar com farinha maisena, verter por cima da francesinha e servir com batata frita ou ovo frito.

Para acompanhar
A bebida que melhor representa e acompanha esta fabulosa e distinta iguaria Portuense, é a cerveja! E bem geladinha!

Bom Apetite

Arroz de Cabidela


Palavra de origem angolana, Cabidela significa miúdos de aves e, antigamente, este prato era feito com os miúdos e extremidades da galinha. Atualmente é feito com toda a carne da galinha, também se pode usar outras aves como pato ou ganso, embora continue a ser a galinha a mais utilizada. A receita conhece algumas variações, consoante a região ou pais ( no Brasil chama-se Arroz de molho pardo ), mas o sangue é sempre guardado no momento do abate da ave( se tiver oportunidade de comprar uma galinha viva melhor, ou então a certos talhos que vendem sangue de galinha engarrafado ) e misturado com um pouco de vinagre para que não coagule. Esta é a minha receita.

Ingredientes
1 galinha ou frango de campo
1 frasco de 200 ml de sangue de galinha ( se não tiver galinha viva para aproveitar o sangue )
1/2 kilo de arroz
1 tomate bem maduro
1 cebola grande
2 dentes de alho
1 folha de louro
1 malagueta
1 ramo de salsa
1 copo de vinho branco
azeite que baste
sal

Preparação
Num tacho grande ponha o tomate, a cebola, os alhos e a salsa bem picados a refogar com uma boa golpada de azeite, junte a folha de louro inteira e a malagueta com um pequeno golpe, quando a cebola começar a ficar translucida acrescente a galinha bem lavada e cortada em pequenos pedaços, tempera-se de sal e acrescente o vinho e reduza para lume baixo e tape o tacho. Deixe estufar até a carne ficar macia, se necessário acrescente um pouco de água. Quando estiver a carne pronta acrescente a água para o caldo (A quantidade de água depende da consistência da cabidela que se pretende obter, normalmente põe-se 3 de água para 1 de arroz ). Quando o caldo levantar fervura acrescente o arroz e deixa-se cozer, retificasse os temperos, 3 minutos antes de tirar do lume adiciona-se o sangue , mexa bem e sirva de imediato.
Bom Apetite